Com tecnologia do Blogger.

Newcastle United 1-2 Arsenal - Report



Arsenal: Cech, Bellerín, Sokratis, Mustafi, Monreal, Guendouzi, Xhaka, Özil, Ramsey, Aubameyang, Lacazette
Subs: Leno, Lichtsteiner, Holding, Mkhitaryan, Torreira, Elneny, Welbeck

Newcastle United: Dúbravka, Yedlin, Lascelles, Fernández, Dummett, Ritchie, Hayden, Diamé, Murphy, Pérez, Joselu
Subs: Darlow, Manquillo, Clark, Kenedy, Shelvey, Muto, Rondón


O Arsenal conquistou a terceira vitória seguida na Premier League ao derrotar nesta tarde de sábado o Newcastle United por 1-2 em St. James' Park.

Depois de uma primeira parte de má qualidade de ambas as equipas, o Arsenal entrou para o segundo tempo a todo gás e a desbloquear o marcador graças ao sensacional golo de livre de Granit Xhaka. Pouco depois foi Mesut Özil, no seu 200º jogo oficial pelos Gunners, a aumentar para 0-2.

A equipa da casa acabou por reduzir já em tempo de compensação através de Ciaran Clark, mas os Gunners não deixaram fugir os três pontos e continuam a recuperar na tabela.


A equipa de Rafa Benitez tem sido questionada pelo mau futebol mas até foi o Newcastle a entrar melhor no jogo. Primeiro aos nove minutos por Jacob Murphy, a passe de Ayoze Perez, que se livrou de Héctor Bellerín mas apareceu Xhaka para cortar e depois aos 20', aproveitando a escorregadela de Shkodran Mustafi para aparecer com perigo mas Sokratis resolveu a situação.

A partir daí o Arsenal começou a entrar no jogo ao ritmo de Alexandre Lacazette e Pierre-Emerick Aubameyang, começando a causar perigo para a baliza da equipa da casa. A melhor oportunidade surgiu quando numa combinação entre Lacazette e Ramsey, o galês tinha tudo para assistir Aubameyang mas cruzou por cima da baliza de Dúbravka.

Emery decidiu reagir ao mau desempenho da equipa e colocou Lucas Torreira em campo ao intervalo para o lugar de Mattéo Guendouzi. O médio uruguaio continua, incrivelmente, a não ser titular mas a sua entrada mudou logo o jogo.

Quatro minutos depois do recomeço do encontro Fernández carregou Aubameyang e o árbitro Lee Probert não teve dúvidas em assinalar falta. Granit Xhaka chamado a converter o livre a 25 metros da baliza fez um golo sensacional.

Aos 58 minutos Mesut Özil aumentou a vantagem para 0-2. Numa jogada de ataque combinado do Arsenal, Lacazette rematou à figura de Dúbravka e na recarga o playmaker alemão não teve dificuldade em marcar.

Até ao final o treinador adversário ainda lançou Kenedy e Yoshi Muto na tentativa de regressar à discussão do resultado, mas o melhor que conseguiu foi um golo já em tempo de compensação por Ciaran Clark.

O Arsenal não acusou a paragem do campeonato e voltou a somar três pontos, e aproximando-se dos lugares europeus. Agora as atenções viram-se para o confronto europeu na quinta-feira frente ao Vorskla Poltava. Poderemos ter a oportunidade de assistir a jogadores menos utilizados, bem como à possível estreia de Bernd Leno na baliza dos Gunners.


MELHOR EM CAMPO: Sokratis Papastathopoulos
O defesa chegou ao Arsenal com o objectivo de ajudar a defesa a descomplicar e este sábado foi um belo exemplo disso. Em St James' Park fez um punhado de excelentes intervenções. O primeiro destaque vai para o excelente corte após o deslize de Mustafi e depois quando parou um contra-ataque muito perigoso do Newcastle. Para além disso foi exímio no jogo aéreo.

1 comentário:

  1. Vitória escassa nos números mas inteiramente justa do Arsenal nesta partida, justificada sobretudo pela segunda parte, em que foi francamente superior ao adversário.

    Depois de uma primeira parte fraca de ambas as equipas, aborrecida mesmo, com ligeiro ascendente do Newcastle nos primeiros 15 minutos e de equilíbrio nos restantes, resumiu-se basicamente ao tão bem conhecido "jogo sem balizas", a segunda parte trouxe muito de diferente, em primeiro lugar o efeito Torreira e depois a atitude diferente para melhor dos Gunners, que assumiram o jogo e em poucos minutos construiram um resultado tranquilo que permitiu controlar o jogo nos minutos até ao final da partida.
    Depois do 0-2 poderiam ter surgido mais golos, mas a equipa entrou em relaxamento nos últimos 5 minutos e o Newcastle no pouco que fez lá marcou e reduziu o resultado.

    De destacar alguns pontos desta partida que vou enumerar:
    1) É mais que evidente para todos (menos para o treinador) que Torreira deve ser titular, quando entrou trouxe mais qualidade, intensidade, agressividade, clarividência ao jogo, e com ele em campo a equipra melhorou e muito de produção;
    2) Guendouzi é na minha opinião o médio mais fraco do plantel e continua a ser titular sem se perceber, acrescenta muito pouco, só faz passes para o lado e não tem velocidade nem combatividade para o que se exige da posição onde joga;
    3) Xhaka fez hoje, o que é raro, uma exibição positiva, com um golo e contribuição na jogada do segundo, após o intervalo jogou na posição mais adequada onde também joga na selecção da Suíça e a sua subida de rendimento não foi uma surpresa;
    4) Para este jogo, justificava-se na minha opinião a inclusão de Mkhitaryan a titular, pois era preciso controlar mais o jogo perante um adversário combativo e onde a criatividade do arménio poderia ser útil na criação de oportunidades de golo;
    5) A adopção de dois avançados para mim deve ser feita em função do adversário e tem mais lógica adoptar-se nos jogos em casa contra as equipas mais pequenas, onde se ataca com muito maior frequência contra equipas adversárias com 8 e 9 jogadores a defender perto da sua área;

    Por fim, concordo com a nomeação para melhor em campo, hoje o grego Sokratis esteve intransponível, dominando o espaço aéreo nos lances de livres e cantos onde o Newcastle era superior e poderia criar perigo e também com cortes importantes que impediram males maiores. De realçar também as boas entradas de Torreira e Mkhitaryan no jogo e a exibição de Xhaka, sobretudo no segundo tempo.

    ResponderEliminar