Com tecnologia do Blogger.

Arsenal 4-2 Vorskla Poltava - Report



Arsenal: Leno, Lichtsteiner, Sokratis, Holding, Monreal, Torreira, Elneny, Welbeck, Mkhitaryan, Iwobi, Aubameyang
Subs: Martínez, Smith Rowe, Bellerín, Guendouzi, Özil, Lacazette, Nketiah

Vorskla Poltava: Shust, Perduta, Dallku, Chesnakov, Artur, Kobakhidze, Kravchenko, Sharpar, Rebenok, Kulach, Kolomoets
Subs: Tkachenko, Giorgadze, Sakiv, Sklyar, Careca, Sergiychuk, Mysyk


O Arsenal venceu esta quinta-feira o Vorskla Poltava por 4-2, na sua estreia na Liga Europa edição 2018/19.

Os Gunners dominaram o jogo por completo e nunca a equipa ucraniana esteve perto de discutir o resultado, mas no entanto o Arsenal volta a terminar um encontro sem conseguir evitar sofrer um golo.

Como esperado Emery realizou bastantes alterações no onze titular, deixando apenas Sokratis, Monreal e Aubameyang do onze que havia derrotado o Newcastle no fim-de-semana.

O Arsenal entrou no jogo com bastante posse de bola e sempre a dominar, mas sem nunca conseguir chegar com perigo à baliza do Vorskla. As jogadas eram sempre interrompidas com passes perdidos para o lado e o primeiro remate surgiu apenas aos 27 minutos por Elneny.

No entanto o primeiro golo haveria de surgir ainda antes do intervalo por parte de Aubameyang. Numa recuperação de bola de Mkhitaryan à entrada da área do Arsenal, o arménio conduziu o ataque combinando com Iwobi, que na esquerda cruzou rasteiro para Aubameyang e o avançado do Arsenal, em corrida, rematou cruzado para o fundo da baliza de Shust.

Ainda antes do intervalo Aubameyang esteve perto do 2-0, mas o remate fora da área passou mesmo ao lado do poste da baliza dos ucranianos. Logo a seguir foi a vez de Mkhitaryan a rematar com perigo, mas Shust defendeu com uma palmada para canto.

O resultado ao intervalo era justo mas era exigido mais ao Arsenal para o segundo tempo. O descanso fez bem aos jogadores que entraram com a força toda para a segunda metade do jogo. Prova disso foi o golo de Welbeck logo aos 48 minutos. Numa jogada confusa de Iwobi, Mkhitaryan cruzou da esquerda para a área e o avançado inglês à entrada da pequena-área saltou mais alto que toda a gente e fez o 2-0.

Aubameyang acabaria por bisar no jogo ao fazer o 3-0 aos 56'. Novamente num ataque conduzido por Mkhitaryan, o arménio serviu Aubameyang que tirou um defesa da frente e ainda fora da área rematou sem hipóteses para Shust. Logo a seguir o avançado saiu de jogo para dar lugar a Mesut Özil.

O Arsenal continuava a dominar e chegou ao quarto golo aos 74 minutos por Özil. Sokratis desmarcou Lichtsteiner na direita e o suíço tirou o guarda-redes dos ucranianos da frente com um balão para o segundo poste, onde apareceu o alemão que só teve de desviar para o fundo da baliza.

A surpresa acabaria por chegar dois minutos depois com o golo do Vorskla. Pontapé livre na esquerda e Holding aliviou para fora da área de cabeça. A equipa visitante insistiu e numa perda de bola de Lichtsteiner, Chesnakov rematou sem hipóteses para o guarda-redes do Arsenal.

A surpresa tornou-se ainda maior, para delírio dos vários adeptos ucranianos presentes no Emirates, quando o Vorskla fez o segundo golo no jogo no último minuto de compensação. Ataque conduzido pela esquerda e num passe cruzado para a entrada da área, Sharpar aparece sozinho para fazer o 4-2.

Vitória tranquila do Arsenal, mas que serve de alerta para os futuros jogos deste grupo E. A defesa continua a meter água e a saída de Torreira indicou uma quebra geral da equipa. O Arsenal ocupa o primeiro lugar do grupo E, juntamente com o Sporting CP.

As atenções viram-se agora para o jogo de domingo, frente ao Everton novamente no Emirates, a contar para mais uma jornada da Premier League.


MELHOR EM CAMPO: Henrikh Mkhitaryan
Poderíamos ter indicado Aubameyang pelos dois golos ou Torreira pela consistência e conforto que trás à equipa. No entanto escolhemos o arménio pelas duas assistências que fez e por ser o grande condutor da jogada do primeiro golo. Os lances de perigo passavam quase todos por si e ainda esteve perto de marcar em cima do intervalo, algo que só foi negado com uma excelente defesa de Shust.

Sem comentários