Meio campo defensivo custou o título?


A corrida pelo título do Arsenal terminou em 2017 graças a um grande desempenho do Chelsea, que beneficiou desta temporada não ter competições europeias a meio da época, e à falta de capacidade do Arsenal em acompanhar os vizinhos e rivais.

Analisando a nossa equipa, rapidamente chega-se à conclusão que o maior problema do plantel passou pelo meio campo defensivo.

Agora, olhando individualmente para cada um dos jogadores que ocupam aquela posição…

Começamos com Granit Xhaka que apenas chegou esta temporada. O internacional suíço mostrou ao longo da época que é um jogador de qualidade e teve alguns rasgos de grande classe. Ainda assim a sua temporada de estreia fica marcada pelos cartões amarelos e vermelhos que foi vendo ao longo dos meses, fruto de entradas mais duras e que em determinados momentos prejudicaram a equipa. Sendo a época de estreia, e apesar de ter custado 40 milhões de euros, dá-se o benefício da dúvida ao suíço, na esperança que a próxima temporada seja melhor para ele.

Depois temos Francis Coquelin (ou o que sobra dele). O médio defensivo francês deixou de ser aquele jogador que nos surpreendeu quando regressou do empréstimo do Charlton. Ao lado de Cazorla parecia querer começar mais uma época de bom nível, mas assim que o espanhol se lesionou parece que deixou de saber passar e cortar ataques adversários, aquela que era uma das suas imagens de marca. Na memória fica o lance com Eden Hazard em Stamford Bridge: o “frágil” jogador do Chelsea virou, literalmente, o médio defensivo dos Gunners.

Olhamos agora para Santi Cazorla, que provavelmente deverá ser o nosso melhor jogador para a posição 6/8. O médio começou bastante bem a época, principalmente tendo em conta que tinha terminado a anterior lesionado, e era por ele que o Arsenal saía sempre a jogar com perigo. Mas, uma nova lesão no tendão de Aquiles no jogo frente ao Ludogorets no Emirates voltou a afastar o nosso pequeno mágico espanhol. Aquilo supostamente seria um tratamento de duas ou três semanas, passou a meses, uma operação, uma nova operação e época acabada. Nada de novo! No entanto, se recuperar, deverá ser importante para a época 2017/2018 do Arsenal.

Mohamed El-Neny é aquele jogador que tem qualidade, que o pessoal gosta e passa despercebido. Esta época foi ganhando minutos, na rotação que foi havendo no meio-campo defensivo do Arsenal. Ora fazia par com Xhaka, ora com Coquelin e foi cumprindo. No entanto, acabou por ir para o CAN no mês de Janeiro e lesionou-se frente ao Sutton. Em breve deverá regressar às opções, mas quando apenas temos a FA Cup para discutir. Será, certamente, mais um elemento do plantel na próxima temporada.

Aaron Ramsey e Alex Oxlade-Chamberlain também têm ocupado esta posição, mas com prestações diferentes. Enquanto o galês continua a anos-luz daquilo que já mostrou ser capaz de fazer no passado e vai dividindo o seu tempo entre lesões e minutos no banco, Oxlade-Chamberlain surpreendeu (ou será que não?) a jogar numa posição que a maioria das pessoas não estavam habituadas a vê-lo. A verdade é que Ox tem mostrado grande qualidade a jogar numa posição mais central do que encostado à linha e graças a isso tem sido dos melhores da equipa nos últimos tempos. Enquanto nenhum adepto pensa neste momento deixar sair o internacional inglês, a atitude em relação a Ramsey muda. O que não falta são adeptos com vontade de ver o galês sair e se calhar, o Arsenal pouco perdia com o Ramsey atual.

Finalmente acabamos com Jack Wilshere, que provou que há vida naqueles joelhos e tornozelos. Foi emprestado ao Bournemouth e foi a melhor atitude que o jogador podia ter tomado. Os problemas físicos que o assolavam em Londres praticamente desapareceram e tem sido peça fundamental no onze titular de Eddie Howe. Pode-se dizer que Wilshere tem muita “culpa” pelo bom campeonato que o Bournemouth tem vindo a fazer. É caso para perguntar aos médicos do Arsenal o que se passa no centro de treinos de Colney!!

Ainda não sabemos se Wenger vai ficar para a próxima temporada. Assim sendo não sabemos o que pensa o treinador francês, ou quais serão as intenções de um novo treinador que chegue e olhe para este meio-campo defensivo.

O que sabemos é que há jogadores que podem ter guia de marcha: Francis Coquelin e Aaron Ramsey. Eventualmente Granit Xhaka, se começar a cometer os mesmos erros que tem feito nesta temporada de estreia em Inglaterra.

Concordam que o meio-campo defensivo foi o calcanhar de Aquiles do Arsenal nesta temporada de 2016/2017?

Por Ricardo Pires | 09.03.2017

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.